1 / 4
All Projects

Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto, 2014
in collaboration w/ Afonso Romana & Benedia Trigo

A nossa estratégia consiste em encarar este desafio de desenhar uma pequena barraca para a AEFAUP da mesma forma que encaramos qualquer desafio de arquitectura, tendo em conta todos os aspectos que consideramos essenciais num projecto como a relação com o contexto, a volumetria, a escala e a aparência estética.
Como se sabe, o contexto da Queima das Fitas impõe-se como ruidoso, composto por uma soma de parcelas heterogéneas mais ou menos alinhadas, cada uma com a sua identidade e tentando, através de uso exagerado de elementos como cor ou luz, alcançar o protagonismo. Porém, ao invés de se destacarem, estes volumes “berrantes” acabam por se diluir no conjunto criando uma nova regra que domina todo o espaço – o caos completo.

Assumindo como referência o New Museum (New York) dos SANAA, pensamos que a melhor atitude seria a de criar um volume abstracto, clean, que pela sua simplicidade vem criar um verdadeiro contraste com a desordem envolvente. Esse volume é revestido inteiramente por uma pele metalizada que, favorecida pela luz interna, uniformiza toda superfície e enfatiza a pureza do volume, transformando-o numa verdadeira caixa de luz. Este volume paralelepipédico é revestido no total por duas peles com funções distintas. A pele exterior consiste numa rede mosquiteira de aço galvanizado, que, para além do efeito estético metalizado pretendido, desempenha ainda uma função de segurança contra incêndio – material que dispersa a chama. A pele interior consiste numa tela de plástico branco translúcida que assegura a impermeabilização da estrutura e ajuda na difusão da luz que é colocada na camada anterior, fixa na estrutura.
Em suma, pretendeu-se deste modo conceber uma barraca que venha a marcar pela diferença: assumir-se como um bloco austero que atinge a leveza pela riqueza do seu revestimento que resulta de uma combinação rigorosa de duas peles com o factor luz. A luz é, definitivamente, o factor determinante deste projecto.